domingo, janeiro 15, 2017

A era do Big Me

"O facto é que chegou a era da autenticidade em triunfo implacável. O ego passou a ser sempre um grande ego - o Big Me. [...] O mal deixou de ser primariamente uma coisa dentro de mim para passar a ser uma coisa fora de nós. As coisas más da vida deixaram de ser detectadas primeiro no interior de cada pessoa para passarem a ser detectadas quase exclusivamente naquilo que está no exterior. [...] O Big Me não suporta a ideia de que possa ser fonte de águas contaminadas."

In: CAVACO, Tiago. Cuidado com o Alemão. Lisboa: Letras D'Ouro editores e Igreja da Lapa, 2016, p. 108 e 109.

quinta-feira, janeiro 12, 2017

Sola Fide!

A convite da Aliança Evangélica Portuguesa e no âmbito da Semana Universal de Oração, partilhei ontem numa acolhedora igreja em Gaia, sobre a Sola Fide. É impossível agradar a Deus sem fé. A oração sem fé é morta. "Eu creio, Senhor! Ajuda-me na minha incredulidade."

A Reforma protestante lembrou a preciosa verdade bíblica, que a salvação não se conquista por obras humanas, é antes uma dádiva divina. Por muito que custe a engolir ao homem orgulhoso que pensa ser bom, que julga alcançar a salvação pelos seus próprios méritos e feitos, o cristianismo verdadeiro continua a defender que somos salvos exclusivamente pela graça, mediante a fé. Graça e fé que são dons de Deus. Não são as obras que nos salvam, é somente a Obra. A obra perfeita e completa de Jesus Cristo. O grande milagre da vida eterna é Ele próprio. "O justo viverá da fé".

domingo, janeiro 08, 2017

Doutrina em acção

"A doutrina, portanto, é algo dramático: uma coisa que não se deve apenas ouvir e em que não se deve apenas crer, mas que também deve ser manifestada, praticada, exteriorizada. O caminho da semelhança de Cristo não é passivo. A graça não se opõe ao esforço, mas, sim, à ideia de recompensa. O segredo de fazer discípulos é a acção bem dirigida."

In: VANHOOZER, Kevin. Encenando o Drama da Doutrina. Editora Vida Nova, 2016, p. 38.

quinta-feira, janeiro 05, 2017

A Verdade é só uma

Embriagados com a pós-verdade da pós-modernidade, tentamos embrulhar a vida com muitas coisas que nos prometem fazer mais felizes. Puro engano. Vídeos, imagens e risos com muitos smiles amarelos podem divertir mas não salvam ninguém. Aquilo que de facto as pessoas mais precisam é retornar à velha e antiga verdade - à Verdade-Cristo. A pós-verdade é o velho-engano. Não são opiniões, desabafos ou emoções que nos fazem mais felizes, é o relacionamento genuíno com Deus pela sua Palavra viva. Voltar ao velho evangelho é a única solução para a nova geração. A verdade não tem tempo, é eterna. Continuamos a precisar desesperadamente de Cristo e da Sua Palavra.

segunda-feira, janeiro 02, 2017

Feliz 2017!

“Viva como se Jesus tivesse morrido ontem, ressuscitasse hoje e voltasse amanhã!” - Martinho Lutero.

quinta-feira, dezembro 22, 2016

O segredo do Natal


O segredo do Natal está no nome do aniversariante: Jesus, O Emanuel. O nome Jesus revela a sua grande missão encarnacional: salvar o seu povo dos seus pecados e Emanuel indica que Deus, em Cristo, tornou-se palpável e concreto a toda a humanidade. Algumas pessoas dizem que se vissem Deus acreditavam nele. A verdade é que Deus foi e pode ser visto em Jesus.

Há esperança no Natal. A esperança do perdão dos nossos pecados e a possibilidade de comunhão com o nosso Deus criador e salvador. Jesus, O Emanuel, continua entre nós a manifestar a sua divina presença e a salvar. Mais do que boas festas, precisamos das melhores companhias. Tenham um Feliz Natal na presença de Jesus Cristo!

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Jesus é o único que nos pode salvar

"O mundo não pode salvar-se a si mesmo. Esta é a mensagem do Natal." - Tim Keller.

sexta-feira, dezembro 16, 2016

Presépio feio, mas bonito

O enquadramento estético do nascimento de Jesus, ao contrário do que se tenta adornar, não foi bonito em todos os seus aspectos. Qual é a beleza de uma jovem mãe dar à luz o seu filho à pressa, envolvê-lo em panos e deitá-lo numa manjedoura onde comem animais? Que grávida, no final do seu tempo, ambiciona fazer uma longa viagem aos saltos e ter o seu bebé quase ao relento porque ninguém os quis receber? Parece que não estiveram reunidas todas as condições humanas para ser o mais bonito dos partos, mas a beleza intrínseca do nascimento de Jesus supera toda a aparente feiura humana. Naquela manjedoura deitado, estava o ser mais belo, santo e perfeito que alguma vez existiu neste mundo (e no outro!). O presépio até pode ser feio, mas a boniteza, ao contrário de Jesus, nunca salvou ninguém.