segunda-feira, março 02, 2015

Embrulha-me que eu gosto

- Vai desejar saco para levar o livro? - Pergunta a vendedora de uma grande livraria.
- Paga-se alguma coisa?
- Sim. São dez cêntimos. - Responde ela com um sorriso.
- E se for para oferecer?
- Se for para oferecer, damos um saco de presente para o embrulho.
- É para oferecer! - Confirmo sorridente.

sábado, fevereiro 28, 2015

O principio, o meio e o fim do Amor

O amor verdadeiro é o princípio maior que não tem fim. Tudo vai passar, menos o Amor. Entretanto, antes que venha o derradeiro fim, o único meio que continuará a vencer é o princípio da realidade prática do amor. O principio, o meio e o fim do Amor é Deus. Deus é amor.

domingo, fevereiro 22, 2015

É possível perder a salvação?

"É possível perder a salvação? Bom, isso depende. Depende de quem te salvou. Se foi Cristo quem te salvou então é impossível, pois ele assegurou que 'e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará das minhas mãos' (João 10:28). Agora se foi outro quem te salvou então sim, é possível perder a salvação."

Russell Shedd

quinta-feira, fevereiro 19, 2015

Não esquecer Alice

No Sábado fomos ver o filme "Still Alice" (O Meu Nome é Alice). Eu sei que nestes dias fala-se mais de filmes que promovem chibatas dominadoras do que aqueles que abordam coisas importantes. Mas talvez por eu já estar no limiar dos cinquenta, interesso-me mais por coisas luminosas do que por sombras da moda.

Curiosamente, a protagonista Alice Howland (Julianne Moore) também tem 50 anos. Tem (quase) tudo. É uma mulher inteligente e bonita, com um casamento feliz, os filhos realizados, uma carreira prestigiante no ensino universitário. Um dia, sem ela contar ou desejar - e ninguém conta ou deseja -, os dedos fatais do Alzheimer agarram-lhe a mente. Vieram para ficar. O que se faz quando se vai perder, de forma avassaladora e irreversível, a memória, a linguagem, o pensamento, a noção de si próprio e daqueles que se ama? O Alzheimer não desmembra só a pessoa doente, seca tudo e todos à sua volta.

A interpretação de Julianne Moore é soberba. A dupla de realizadores e argumentistas Richard Glatzer e Wash Westmoreland souberam recortar o essencial do best-seller de Lisa Genova. O final foge do cliché - um drama faz chorar, mas não tem que ser piegas. O Alzheimer altera radicalmente a forma como as pessoas vivem no mundo. Este filme pode mudar a forma como nós vemos o mundo. Amar mais, viver melhor, recordar o bom, resistir ao mal, sempre. "Still Alice" é um filme digno de Óscares, a sua luz deve ser vista e lembrada. Pelo menos enquanto nos pudermos.

terça-feira, fevereiro 17, 2015

Os bons frutos exigem tempo

Já há algum tempo que o jovem limoeiro do nosso pequeno jardim nos presenteia com belos limões. Um limoeiro pode demorar cerca de 4 anos antes de começar a produzir bons frutos. Os bons frutos exigem tempo. Tempo e cuidado. Os frutos na vida também. Há que ter paciência, amor e perseverança. Reflexão. A ponderação requer tempo e dá trabalho. Não é por acaso que existe tanta superficialidade e futilidade de ideias e atitudes na nossa sociedade apressada. Falta-nos tempo para silenciar, ouvir, esperar. Escutar Deus e a sua Palavra. Os bons frutos nem sempre são os maiores e nunca são imediatos. Os frutos espirituais brotam lenta e naturalmente da nossa relação vital com Cristo. Quando estamos bem conectados, atentos, dedicados, pacientes, esperançosos n'Ele, os frutos sempre surgirão. Seja no jardim, na família, no trabalho, na igreja ou na nossa própria vida. Que tipo de frutos você está a produzir?

domingo, janeiro 25, 2015

A fé e as obras vêm de Deus

“É a fé sozinha que nos justifica, mas no entanto, a fé que justifica não está sozinha.”

João Calvino

quinta-feira, janeiro 22, 2015

Deus (também) está nos detalhes

Não sei se foi o arquitecto Ludwig Mies van der Rohe que inventou a interessante frase "Deus está nos detalhes". Algumas pessoas atribuem-na a Albert Einstein. Acrescento que Deus está nos detalhes e no todo. Não que Deus, o todo e os detalhes sejam uma mesma coisa, como alguns erroneamente sugerem. É nas finas teias com que Deus vai cerzindo e entrelaçando a história, as gentes e as coisas, que também se pode descobrir a amorosa presença divina. Deus podia ocultar-se de nós, mas escolheu revelar-se. Deus faz-se presente na sua providência geral e específica, mas também nos pormenores, detalhes e minudências da vida. Quem o quiser ver e ouvir, basta abrir os olhos, os ouvidos e o coração.

terça-feira, janeiro 20, 2015

Os bons protestantes são como os coelhos

Não é só em questões espirituais que os protestantes estão distanciados do discurso católico. Ao contrário do bom católico, o bom protestante procura ser parecido com os coelhos. O salto que se impõe não é para a modernidade, nem retórico, é mesmo físico. E não pedimos desculpa por isso.

domingo, janeiro 18, 2015

Deus, a fé e a razão

"Certamente concordo que Deus é maior do que a lógica e que a fé é maior do que a razão. Concordo com todo o meu coração e com toda a minha cabeça. O que quero evitar é um Deus que seja menor do que a lógica e uma fé que seja inferior à razão. Um Deus que fosse menor do que a lógica seria e deveria ser destruído pela lógica. Uma fé que fosse inferior à razão seria irracional e absurda."

In: R. C. Sproul. Eleitos de Deus. Editora Cultura Cristã, 2002, p. 24.

quarta-feira, janeiro 14, 2015