quarta-feira, abril 29, 2009

"Se eu tivesse mais..."

Lev Tolstoi escreveu uma pequeno conto acerca de um homem chamado Pahóm, que dizia que "se tivesse terra suficiente, não temeria nem mesmo o diabo." Certo dia, Pahóm ouviu falar dos Baquires, um povo que vendia terras baratas. Viajou para lá e verificou que eles vendiam terras a mil rublos por dia. "Por dia? Que medida é essa?", perguntou Pahóm curioso.
"Vendemos terra ao dia. Toda a terra que puderes rodear com os teus pés num dia, é tua. Só há uma condição: Se não voltares no mesmo dia ao ponto donde partiste, perdes o dinheiro e a terra". Disseram os Baquires.

Contentíssimo, Pahóm aceitou o negócio e começou a caminhar e a cavar buracos na terra para a marcar como sua. Caminhou e marcou. Caminhou, caminhou, caminhou. Quando o sol já se estava a pôr, ele resolveu voltar. Apressou-se e correu esbaforido. Correu, correu, correu. Perto do ponto de partida Pahóm caiu exausto. O seu criado correu na sua direcção para tentar levantá-lo, mas viu sangue que lhe corria da boca. Pahóm estava morto. O criado pegou na pá, fez uma cova em que coubesse Pahóm e meteu-o lá dentro. "De quanta terra um homem precisa?" Sete palmos de terra: não precisava de mais.

1 comentário:

Catarina disse...

Muito interessante!