segunda-feira, outubro 03, 2016

A pregação de Martyn Lloyd-Jones

Um dos oito livros que li nestas férias foi a extraordinária biografia de Martyn Lloyd-Jones, escrita por Iain Murray (PES - Publicações Evangélicas Seleccionadas). É uma compilação com quinhentas páginas, de dois enormes volumes biográficos publicados anteriormente pelo mesmo autor. Receio que Martyn Lloyd-Jones ainda seja muito desconhecido dos crentes evangélicos portugueses.

Oriundo da tradição Metodista Calvinista do País de Gales ("Igreja Presbiteriana de Gales"), Lloyd-Jones foi um poderoso tição nas mãos de Deus que incendiou a Inglaterra e o mundo. "O Doutor", como era conhecido, insurgiu-se contra o liberalismo, o emocionalismo, o activismo evangélico, o tradicionalismo e tantos outros "ismos" que enfraqueciam a igreja inglesa no século XX. O ministério de Martyn Lloyd-Jones caracterizou-se pela pregação expositiva da Palavra de Deus. Mais do que pregar sobre temáticas usando a Bíblia, ele acreditava na importância fundamental de pregar a própria Bíblia para a salvação e transformação de vidas e para a edificação da Igreja de Cristo.

Neste início do século XXI, em que os crentes evangélicos andam tão entretidos com superficialidades, actividades e modismos, precisamos voltar à velha e boa pregação expositiva da Palavra de Deus. "O dever da pregação não é entreter as pessoas mas conduzi-las à salvação, ensiná-las a encontrar-se com Deus", ensinava "o Doutor".
Do muito que se poderia dizer deste livro, sobressai o exemplo de fé, perseverança, humildade e confiança na soberania divina na vida de Martyn Lloyd-Jones. Percebe-se e nota-se Jesus Cristo nas suas palavras e ensino. Incentivo a sua (re)leitura a todos os líderes e crentes interessados na propagação do reino de Deus e na glória do Altíssimo.

2 comentários:

Lou Mello disse...

O Martyn foi um grande servo de Deus. Desses que tornaram-se raros em nossos dias. Acho que devo algo a ele. Se encontrar com ele lá, saldarei a dívida. Agora, gostei do texto longo. rs.

Jorge Oliveira disse...

Olá amigo Lou!
O Martyn é (devia ser) uma das nossas grandes referências para pregadores nos nossos dias!

Já tinha saudades dos seus deliciosos comentários no meu pobre blogue.
Um abraço.