quinta-feira, maio 02, 2013

Pagar ou não pagar, eis a questão?

Olhar para o talão da conta do almoço e constatar que o empregado se esqueceu de debitar o café. Aqueles dois segundos, ou talvez três, em que pensas não dizer nada ou então dizer tudo. A escolha pessoal, porém cósmica, de se ser ou não. A grande questão que transcende a Shakespeariana e nos reporta para o Éden: pecar ou não pecar. Um simples café - metáfora universal - que pode perfumar ou manchar. Chorar ou sorrir. Vais escolher o quê?

2 comentários:

ALIÓCHA disse...

Olá,
Sabe, fazer "o bem" às vezes é complicado. Imaginemos que disséssemos:"ei, esqueceu de incluir o café na conta". Ficamos quites com nossa consciência. Agora, imaginemos que o funcionário esqueceu porque é novo no emprego e está em seu período probatório e que seu patrão ouviu nossa advertência sobre a conta. Talvez quites com nossa consciência não encontremos o mesmo funcionário para nos atender num próximo café. Posso estar exagerando, mas é no mesmo sentido de algo pequeno, como um café, poder implicar algo maior, como o sintoma ou não de nossa salvação. A parte a interessantíssima questão ética para a estética, perfeitamente sintética a exposição. Gostei muito. Abraços,
Alisson

Jorge Oliveira disse...

Agradeço a sua visita e generosas palavras, amigo Aliócha.
Um abraço.