quarta-feira, setembro 24, 2008

Que a igreja seja a igreja

É uma tendência comum nestes nossos tempos que alguém ao entrar numa igreja vá com a expectativa de receber algo. Senta-se na plateia e espera receber “algo espiritual”, transmitido “lá da frente” por um pastor, um líder de louvor ou outro artista qualquer.

Philip Yancey escreve no seu livro “Igreja por que me importar”, que Soren Kierkegaard acertadamente referiu que “temos a tendência de ver a igreja como uma espécie de teatro: sentamos no auditório, assistindo com atenção ao actor no palco que leva todos a olharem para si. Se estivermos suficientemente entretidos, mostramos nossa gratidão com vivas e aplausos. Mas a igreja devia ser o oposto do teatro. Na igreja Deus é a audiência de nossa adoração. Longe de fazer o papel de actor principal, o pastor deveria agir como o discreto ajudante que se senta ao lado do palco e sussurra as linhas e dá algumas dicas”.

Começa pela mudança de mentalidade da liderança e dos respectivos membros da igreja. Acarreta tempo e discipulado. Implica abrir espaço para que todos os membros da igreja participem de acordo com os seus dons.
Em vez da igreja ser uma exibição do “One Man Show”, ou um palco de actuações e brilharetes de dois ou três “iluminados”, importa que a igreja, na sua totalidade, participe e se edifique mutuamente. Porque é precisamente pela justa operação de cada parte do Corpo, debaixo da orientação do Espírito Santo, que o Corpo místico de Cristo se revela vivo e em crescimento. Nem todos precisam pregar ou cantar, mas que haja tempo e espaço para que todos sejam igreja.
Que a Igreja seja realmente a Igreja.

8 comentários:

Vilma disse...

Nós deveríamos ser como esponjas, absorvendo palavras, gestos, expressões, bençãos recebidas, de maneira a "despejá-las" quando nos reunimos como Igreja.
A ida à Igreja deveria ser um esvaziar e não, um encher!
Muito bom! :)
DTA

..caRla.. disse...

Quando estou responsável pelas ordens de culto, tento que todo o programa seja mais para participação das pessoas do que do dirigente. Coisas "pequenas" como abrir a Bíblia e não exibir na projecção o versículo, vários momentos de oração e não pequenos momentos em que é o dirigente a orar por todos... E já tentei criar um espaço livre para que as pessoas pudessem intervir, mas a realidade é mesmo essa - assistência! Não há iniciativa das pessoas "porque os outros fazem melhor, porque os outros estão muito bem"... e às vezes acho que a mensagem de que a Igreja toda deve envolver-se no culto fica perdida pelo caminho... pelo caminho das horas a passar, pelo caminho do "não faz mal"...

rubenita disse...

nuooossa!!! lendo sua postagem, parece que estou vendo meu esposo falando à igreja!!! aqui temos uma frase que ele usa sempre: "entre para adorar e saia para servir."

abração.

Jorge Oliveira disse...

Caras amigas Vilma, Carla e Rubenita,

Gostei muito de ler os vossos comentários. São as vossas nobres e valiosas participações que enriquecem este pobre e humilde CANTO. Que Deus vos continue a abençoar e usar nas vossas igrejas locais.

"Tô saindo Rubenita!"
:)

Daniel M.S. disse...

Esse é também um tema actual.
As pessoas nem sempre precebem a superficialidade de nossos dias. Mas o Pai continua procurando quem O adore em Espírito e em Verdade - Ele busca verdadeiros adoradores. É certo que tem muitos crentes que vão à igreja para adorar e o fazem com sinceridade, mas tem muitos que vão à igreja apenas para "se sentirem bem". O culto passa a ser um "programa" como um outro qualquer, onde eu vou para me intreter e passar o tempo, ou vou por causa da banda ou pastor que prega bem. Cristo não é o centro. A pregação não ocupa a maior parte do tempo.Uma hora de louvor e 20 minutos de pregação e isso quando tem pregação.Essa é uma realidade em muitas denominações históricas. Infelizmente prioriza-se a vontade das pessoas querendo agradá-las, em detrimento da pregação expositiva e um culto centralizado em Deus, numa adoração com temor e reverência e isso com alegria.

Um abraço forte

soffs disse...

Carissimo amigo e irmão...creio que o culto de adoração, tem de ser feito, com uma disposição total...ou seja, ir à Igreja de coração aberto, disposto dar e receber o que o Espirito Santo pretender...se fores de coração aberto tu dás e recebes, se isso não acontesse...bem ai, ...a coisa complica-se e as coisas nem fluem...

alealb disse...

adorei!
assino embaixo!
:)
beijos,
alê

Viviana disse...

Olá Jorge,

Li com muita atenção o post e os comentários.

Fiquei a meditar, e concluí que, infelizmente... o que nos diz, eu posso observar por aí com a maior das facilidades.

O essencial da ida ao culto deve ser mesmo a Adoração ao Deus - Criador.

Um abraço

viviana