quinta-feira, janeiro 31, 2008

Teatro cristão

Um dos graves problemas no cristianismo actual é a encenação. Provavelmente a igreja evangélica terá os melhores actores do mundo. Chora-se quando se ri e ri-se quando se chora. Vive-se tantas vezes a farsa do que se não é. Apontam-se holofotes para o umbigo: “saia mais uma piada galhofeira!”; "uma lágrima!". Actividades, pregações, músicas, abraços, apelos, carregados do mais refinado teatro dramático. Finge-se e fantasia-se a vida espiritual, imitando argumentos, copiando modelos de sucesso estrangeiro, enredando contos (e ditos), ficções supérfluas. Nesta ânsia de encenar, perdemos o essencial da vida: a própria Vida. Se queremos realmente ver a manifestação de Deus, importa sairmos de cena. Baixemos e rasguemos o pano. Deitemos fora as máscaras emocionais e espirituais. Que comece a Vida autêntica a viver em nós. “Amém! Ora, vem, Senhor Jesus!”

6 comentários:

Alice disse...

Oi Jo !!
aqui onde moro não é nada diferente... e o teatro é tanto e tão intenso que nem Jesus frequenta mais nossas igrejinhas, lá só cabem os grandes preletores, os apóstolos milagreiros,e os santarrões fanfarrões.... é por essas e outras que tem cada vez mais fechado a porta de meu quarto e adorado a DEus na intimidade, pois descubro que o rebanho tem mais lobos que ovelhas.
É triste, mas real.
bjussssss

Verme de Canteiro disse...

Caro Jo,

É muito interessante que apesar de estarmos tão distantes (O Atlantico nos separa) os problemas encontram-se tão unidos(A mídia nos une). Será a época (o outro lado) da mídia eletrônica? Acho que é a "grandes igrejas, grandes negócios". Veja, não é apenas o caso de roupa suja que atrai multidões. Há uma outra multidão (ainda que de poucos homens) que são atraídos pelo eco de indignação. No meu caso, ao menos, senti grande desejo de comentar sua postagem, pelo sentimento que entalado também sinto, quanto a farsa vivida hoje em muitas igrejas. Também sinto na alma uma tão crescente inversão de valores cristãos. Mas a Palavra já previa isso. Mas a mesma palavra nos diz: "E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12 : 2); nisso me conforto. O curioso é que a nossa colega de comentário (Alice) não percebeu que justamente o clamor que ela levanta no interior do quarto é que pode tocar as vestes divinas. Há lugar, me diga, melhor para se ter comunhão no momento pelo qual atravessamos? Aqui em minha terra também não. Há momentos que sinceramente não tenho nem vontade de comparecer a alguns cultos. Inversão de valores... valores que os que enxergam, não se conformam. E pelo justo entendimento, experimentamos a vontade de Deus! Desculpe-me o Português. Sei que há muita diferença.

Desse patrício seu, Mauricio Moreira - Brasil

Luís disse...

Caro Jorge,

Tudo estaria muito bem se o teu próprio post não fosse também ele uma máscara. Todos nós vivemos a vida encenando e também este apelo iconoclasta é em si uma encenação procurando a aprovação dos outros... Nós vivemos da encenação e ela proporciona-nos as migalhas de alento e consolo espiritual de que muitas vezes andamos esfomeados. Já seria esforço suficiente não nos mascararmos e encenarmos sózinhos perante Deus. Julgo aliás que uma vez conseguido isso (dificilmente o será) tudo o resto vem por acréscimo.

Um abraço em Cristo,

Luís

Verme de Canteiro disse...

Não posso crer que o propósito desta postagem (do Jô) tenha sido uma mera vontade de chamar a atenção (ou querer a nossa razão simplesmente). Encaro-a como um desabafo, um inconformismo. Isto não muda a luta e a crença que temos. Acho que o irmão Luís foi infeliz e ofensivo com o seu comentário. A menos que (este) conheça muitíssimo bem o “encenador” Jo. Perceberam a ofensa?

Quanto a sermos iconoclastas, depende a que prisma refere-se:

1- Se a palavra foi empregada para classificarmos como pessoas que não adoram à imagens, está correto.

2- Se foi empregada para tentar nos classificar como subversivos a (vários, não todos) modelos de “igrejas”, que aí estão com falsos adoradores e líderes, também está certo. Logo, o emprego da palavra iconoclasta não obteve êxito na tentativa de nos chamarmos de que? Inconformados? Pois eu sou!

3- Não sou papagaio de obro de pirata. Quando emito uma opinião, discordando ou concordando, eu tenho a minha própria responsabilidade e consciência em assumi-la.

Logo, não estou aqui simplesmente fazendo coro, como é feito em uma partida de futebol (Para se vaiar ou aplaudir). Estou, penso, me alinhando ao desabafo, uma constatação (assim que entendi) da pessoa do Jo por meio que este dispõe: um blogue.

4- Creio ser muito importante, fazermos uso da inteligência, nos dada por Cristo. Se todas as pessoas dela fossem íntimas, não haveria um mundo tão cheio de engano!

5- A época na qual se era proibido pensar livremente (desde que tenhamos a responsabilidade e a noção real que depois prestaremos conta a Deus) já acabou. Espero...

E sinceramente, se não podemos pensar livremente (sempre com responsabilidade) qual o objetivo de existir um Blogue e os que nele comentam?

6- A insegurança daqueles que pertencem a qualquer doutrina, quando se vêem objeto de uma reflexão, é a produção de reações como a do comentário que classifica ao emissor do pensamento de iconoclasta. Estando ainda (reitero) a palavra iconoclasta mal empregada. Lembram-se da santa inquisição? Não são reações como esta (mini) inquisições? Mas Santas? E a reforma de Lutero não ocorreu por ser este um importante iconoclasta que questionava a doutrina em que se via a servir?

7- Não nos disse Jesus que a sua Igreja não sucumbiria às portas do inferno? E que o tempo a revelaria? Então deduzo que se somos (nosso coração: mente, pensamentos, o ser) a real igreja de Cristo, nada nos afastará desse amor!

8- Os que seguem a ícones e os adoram são iconófilos. Isto não sou! Não adoro a ninguém nem a nenhuma denominação senão Deus!

Esta é a minha opinião (com uso da inteligência que Deus me permitiu). Nada nem ninguém vai me dizer no que pensar, sem a minha consciente aprovação!
Também desabafando,

Mauricio Moreira (simples leitor)

Shalom disse...

Esta é a triste realidade actual. Somos TODOS culpados. Busquemos um real avivamento espiritual (vindo de Deus, e sem fantasias ou "enlatados"). Quando ele chegar, tudo irá mudar. A começar em mim. Digo-o com assumida sinceridade.

Verme de Canteiro disse...

Olá patrício Jo,

Eu não sei se fui feliz, mas o meu comentário foi a favor desta sua postagem (o direito de acharmos que existem realmente os falsos e os verdadeiros). Concordando com o que você escreveu. Também vejo exatamente como um Teatro.
Apenas achei-me também, digamos, “enlatado” – como o colega acima descreveu bem -, junto ao rótulo de iconoclasta. De um outro comentário. Achei, sinceramente infeliz o comentário do outro irmão e prestei um defesa... (?) Era para ser!

Mas era, essa defesa, ao direito de concordar com você. Não sei se fui feliz...
Não estamos (estou) contra nada, ao contrário, estou a favor da postagem.
Espero ter sido feliz (sido entendido) agora. E olha que a sua língua é pai da minha (se não quiserem afirmar que é a mesma).


Que Deus abençoe a todos,
No mais, abraço do patrício, em povo e fé,
[E pelo direito de concordar com a sua ótica: “teatro Cristão”] Pois ela é a mesma que a minha.

Mauricio