quarta-feira, março 25, 2009

As 3 vontades de Deus

Acabei de ler um pequeno livro: “As três vontades de Deus", escrito pelo Teólogo Leslie D. Weatherhead, em que ele levanta algumas questões acerca da tríplice vontade de Deus: a vontade intencional, a vontade circunstancial e a vontade última.
Uma mãe que chora de angústia pela morte do seu menino que foi assassinado; um marido que perdeu a sua amada esposa vítima de uma doença prolongada; o justo morrendo pelos injustos, farão estas coisas parte da perfeita vontade de Deus?

“Creio, como já disse antes, que a cruz não foi a intenção de Deus para Jesus Cristo. A intenção de Deus foi que as pessoas seguissem a Jesus, não que o crucificassem. Mas, quando os homens perversos atiraram Jesus à cruz, o Senhor aceitou a vontade de Deus naquelas circunstâncias, e sua reacção transformou a cruz em instrumento de poder, mediante o qual a vontade última de Deus pôde ser realizada.” Conclui Leslie D. Weatherhead.

Terá sido a cruz de Cristo a intenção inicial de Deus? Ou foi apenas uma adaptação e conformação às circunstâncias? Poderá existir conflito entre o mal, o livre arbítrio humano e a vontade última e soberana de Deus? Afinal qual é a vontade de Deus para a nossa vida?


Partilhe o que pensa na caixa de comentários.
Pode também ler o livro aqui.

13 comentários:

Rubinho Osório disse...

Taí um assunto pra muito papo... Não sei como funciona, mas creio que o livre arbítrio, as leis naturais e a soberania de Deus não se contradizem, apenas estão além da nossa compreensão. São paradoxais, mas não contraditórias.
Serve?

Jorge Oliveira disse...

Claro que serve Rubinho.
Agradeço a sua opinião.

Eu também sou dos que acredita que o livre arbítrio do homem não é inconciliável com a soberania de Deus. A questão porém que o livro aborda prende-se mais com a vontade, o desejo, o propósito. De Deus e do homem.

Até que ponto o homem é livre na sua vontade? Será que o Homem pode frustrar a vontade de Deus?

Thinking Christian disse...

Aguarde, na próxima semana, um post no Orthodoxia sobre o assunto com 2 vídeos curtos do J. Piper.

A bíblia é clara ao dizer que antes da fundação do mundo o Cordeiro de Deus já havia sido amado. Ou seja, Deus Pai planejou com que Seu Filho fosse glorificado na cruz, e Seu plano foi exatamente o que aconteceu. Nada pode frustar os Planos de Deus! Ele faz o que quer. Ninguém é Seu conselheiro. Ele não deve nada a ninguém.

Atos 4:26 Levantaram-se os reis da terra, e as autoridades ajuntaram- se à uma, contra o Senhor e contra o seu Ungido.

Atos 4:27 Porque verdadeiramente se ajuntaram, nesta cidade, contra o teu santo Servo Jesus, ao qual ungiste, não só Herodes, mas também Pôncio Pilatos com os gentios e os povos de Israel;
para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho PREDETERMINARAM que se fizesse.

Jorge Oliveira disse...

Sem discordar do que você escreveu Thinking Christian, para aprofundar o debate, pergunto:

Se Jesus sabia que tinha que ir à cruz, que dizer da sua oração no Getsêmani: "Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice" (Mateus 26:39). Porque pedia Jesus ao Pai que passasse o cálice da Cruz? Não queria Ele cumprir com o que já estava determinado?


Um abraço

Vilma disse...

Um tema bem profundo, como tudo o que diz respeito aos pensamentos de Deus.
Quem os pode medir?
Eu creio que a Cruz sempre fez parte dos planos de Deus.
O Cordeiro de Deus foi imolado antes da fundação do mundo.
Antes de tudo ser criado, a Cruz já lá estava.
Senão, achar que a Cruz veio como alternativa ou depois disso, é pensar que Deus remediou o Seu erro como Criador. E Deus não erra.
A Cruz é resultado do Seu Amor e da Sua entrega em sacrifício.
E é na Cruz que encontramos também a mãe que chora a perda do seu filho, ou o marido que perde a esposa.
Deus ali, na Sua dor e permitindo também, que através da Cruz, o homem possa ter a liberdade de escolher o caminho.
Porque na Cruz, encontramos o caminho para o lar, para tudo aquilo que Deus planeou para nós desde sempre.
A Cruz sem dúvida, é o maior paradoxo de Deus, é loucura mesmo.
Quem O pode sondar?

Jorge Oliveira disse...

Olá Vilma,
O tema é bem profundo e tu disseste muito em poucas palavras. A cruz é de facto um paradoxo divino e humano, o apóstolo Paulo afirmou que

"A palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus."

(1 Coríntios 1:18)


Forte abraço.

Thinking Christian disse...

Bom, Jorge, independente da minha resposta, tens de lidar com aquele versículo de Atos. Não só com o de Atos, mas com todos aqueles que afirmam que todo o plano de Deus relacionado à glorificação de Cristo e a nossa eleição tinha sido planejados antes da fundação do mundo.

Quanto à tua pergunta, vou estudá-la, mas me parece que Jesus não estava com medo da cruz, mas sim com medo do cálice, que estava cheio da Ira de Deus (terror puro). E Jesus, sendo totalmente Deus, mas totalmente homem, sentia certas aflições comuns a nós, como estresse. Por isso ele diz "se posível, passa esse cálice", mas, logo após: "seja feita a tua vontade, não a minha", demonstrando sua obediência, em troca da alegria que lhe estava proposta, como a Palavra diz.

Wander & Ana Carla Almeida disse...

Creio que a Cruz foi "O" Plano de Deus para redenção do homem.

No livro de Jó a Palavra diz que nenhum dos planos de Deus pode ser impedido (Jó 42:2).

Quanto ao livre arbítrio do homem e a soberania de Deus, eu creio que Sua Vontade "sempre" será feita. Ainda que sejamos corroídos por 3 dias e noites no estômago de um peixe, que vaguemos 40 anos no deserto, ou que O neguemos como Pedro, Seus planos se cumprirão!
Bem, é o que creio.
Abraços!

Jorge Oliveira disse...

Oi Wander.
É isso também que eu creio.

Gosto muito desse versículo de Jó.
Deus pode tudo e nenhum dos seus planos pode ser frustrado.
Glória ao seu nome!

Forte abraço.

Luiz Henrique Matos disse...

Caro Jorge, olá

Tem um livro de Charles Swindoll chamado "O mistério da vontade de Deus" em que levanta questões como essa.

Creio que a cruz estava nos planos de Deus desde o princípio. Não que ele desejasse isso para seu Filho, mas que a preferiu, em seu plano para conquistar o coração do homem.

O próprio Cristo, em diversas circunstâncias, cita sua morte aos discípulos e afirma que isso era, de fato, necessário. Ele é o Cordeiro de Deus, sacrificado pelos nossos pecados.

Agora, se podemos ou não frustrar os planos de Deus, acredito que sim. Como Pai amoroso, ele sonha a vida de cada um de seus filhos, mas não interfere nas escolhas que eles farão. Ele se alegra, se orgulha, ou entristece por suas escolhas.

Abraço. Permaneça nEle.

Luiz Henrique Matos
(Missão Virtual)

José Carlos disse...

O facto do "Cordeiro de Deus ter sido sacrificado desde a fundação do mundo"(Apoc.13:8) é sinal de que Deus (Omnisciente) já sabia da necessidade do seu sacrifício. Não orierntou a situação para que isso tivesse de ser assim.

Jorge Oliveira disse...

Olá Luiz Matos
Agradeço a sua preciosa participação.

Acredito que Deus, em Cristo, escolheu o caminho da Cruz muito antes da fundação do mundo (1 Pedro 1:19-20), conforme o mistério da sua própria vontade (Efésios 1:9) principalmente por estas razões (resumidas, claro):

1 - Para aplacar a ira divina por causa da entrada do mal e do pecado no mundo e na humanidade.
2 - Para julgar e destruir o diabo, crucificar o velho homem e a carne.
3 - Para resgatar e salvar eternamente todo aquele que nele crê no sacrifício expiatório de Cristo.
4 - Para gerar, santificar e glorificar um Novo Corpo, a saber, a Igreja.
5 – Para fazer a paz e reconciliar consigo mesmo todas as coisas.

De salientar que a Cruz é o testemunho da perfeita humildade e obediência do Homem Jesus a Deus Pai (Filipenses 2:8). Deve ser este também o caminho do verdadeiro discípulo.


Penso que é possível andar longe de Deus e não viver nem experimentar a sua perfeita vontade (Romanos 12:2; Efésios 6:6; 1 João 2:17, etc) mas também sei que quando Deus entende realizar algo de acordo com a sua vontade, Ele soberanamente a faz, quer o homem queira ou não (veja-se por exemplo a chamada do Apóstolo Paulo e outros).

Deus é Deus e Senhor!


Abraços fraternos

Jorge Oliveira disse...

É isso José Carlos,

Deus diz na sua Palavra:
"...não há outro Deus, não há outro semelhante a mim; que anuncio o fim desde o princípio e, desde a antiguidade, as coisas que ainda não sucederam; que digo: o meu conselho será firme, e farei toda a minha vontade"
Isaías 46:9-10

A sua vontade foi a Cruz, e a sua vontade sempre prevalecerá!


Grande abraço